A maravilhosa vida e obra do Dr. Edward Bach

Updated: Jan 21


Ninguém melhor para falar do Dr. Edward Bach, criador do florais de Bach, que a sua leal companheira e ajudante Nora Weeks. Ela dedicou a sua vida junto ao trabalho do doutor e manteve os princípios e a simplicidade do sistema dos florais de Bach. Nesse trecho da entrevista concedida em 1973 ela descreve a vida e obra do Dr Edward Bach (1886-1936).


"Você pode, pela próxima meia hora ou mais, mudar seus pensamentos da cura do corpo doente para a cura da pessoa doente, pois o Dr. Edward Bach, após muitos anos de pesquisa, obteve o conhecimento de que nossa saúde física depende nossa maneira de pensar, nossos sentimentos e emoções. Boa saúde é harmonia, ritmo, quando pensamos positivamente, construtivamente, com felicidade. Problemas de saúde quando pensamos negativamente, sem felicidade, destrutivamente. Tal é o poder do pensamento, o poder que o homem tem sobre seu corpo que é, afinal, apenas o veículo, o carro que ele usa em sua jornada pela vida na terra. Como alguns de vocês podem não saber nada sobre os remédios de Bach, gostaria em primeiro lugar de falar sobre o próprio Dr. Bach e como ele desenvolveu este método de tratamento e encontrou os remédios de flores. A família era originária do País de Gales, então o nome deveria ser ‘Bach’, mas seus colegas médicos sempre o chamavam de ‘Batch’, e temos feito isso desde então. Edward Bach treinou e se qualificou no University College Hospital e obteve o Diploma de Saúde Pública (D.P.H) em Cambridge no início de 1900. Ele era um estudante de medicina incomum, pois logo se interessou mais pelos próprios pacientes do que por suas doenças. Ele se sentava ao lado deles e os deixava falar com ele, e ao ouvi-los ele descobriu a verdadeira causa de sua saúde. Por exemplo, a mulher com asma grave era uma mulher muito assustada. Ela disse a ele que seu único filho havia conseguido um emprego no norte da Inglaterra há mais de três meses e que ela não teve notícias dele durante todo esse tempo. Ela estava com medo de que ele tivesse sofrido um acidente, estivesse gravemente ferido, até mesmo que ele tivesse morrido. Mas um dia ele veio vê-la e disse que havia encontrado um emprego perto de casa. Em poucos dias, ela perdeu completamente a asma. Ela não precisava mais prender a respiração por seu filho. O homem com suspeita de úlcera duodenal estava muito preocupado. Ele havia perdido o emprego, sua esposa não podia trabalhar e ele tinha dois filhos pequenos. Mais tarde, quando soube que havia sido readmitido no trabalho, ele recuperou a saúde. Ele conseguiu um emprego e perdeu sua úlcera. A profissão médica de hoje diz que a preocupação costuma ser a causa das úlceras gástricas e duodenais, mas era uma ideia bem nova naquela época.


O Dr. Bach começou a sentir que tratar os sintomas físicos não era suficiente. O corpo era um espelho refletindo os pensamentos na mente. Era o próprio sofredor, a pessoa que precisava de tratamento e ajuda para superar suas preocupações, medos, depressões, desesperança. Ele sentia que era necessário um método de tratamento completamente novo, prático, pois as palavras não bastavam; Não adiantava dizer a um homem preocupado: 'Não se preocupe, seja feliz'. Mas, antes de tudo, o médico queria provar e testar por si mesmo outros métodos da medicina ortodoxa e se tornou bacteriologista. Ele era conhecido por seu trabalho de pesquisa neste ramo da medicina, mas isso não o satisfazia. Ele ainda estava tratando corpos e não pessoas, e ele não gostava da idéia de injetar produtos de doenças de volta ao corpo humano. No entanto, esses anos não foram perdidos, pois ele estava estudando seus pacientes, seus amigos, todos que encontrava e observando suas reações a todas as experiências da vida diária; no trabalho e no lazer, com boa saúde ou com problemas de saúde; e esse conhecimento da natureza humana iria colocá-lo em uma boa posição mais tarde.

Foi então que ele entrou em contato com a homeopatia e ficou encantado ao descobrir que Hahnemann, o fundador da homeopatia, havia dito: ‘O paciente é o fator mais importante em sua cura’. Também que os remédios homeopáticos foram prescritos para a personalidade do paciente, suas características, suas idiossincrasias e também os sintomas físicos. O Dr. Bach trabalhou durante algum tempo nos laboratórios do Royal London Homeopathic Hospital e foi lá que se interessou pela relação entre a toxemia intestinal e as doenças crônicas. Quero falar rapidamente sobre isso, pois o resultado dessa pesquisa trouxe um grande passo para o seu trabalho final. Ele isolou sete grupos de flora intestinal e preparou nosódios deles homeopaticamente, dando-os aos seus pacientes oralmente. Seu objetivo é limpar e purificar o trato intestinal. Eu digo 'é, para os nosódios, os sete nosódios de Bach, os sete nosódios do intestino, ainda estão sendo usados ​​hoje. Eles tiveram muito sucesso. Então, ele fez uma descoberta muito importante e significativa. Era o seguinte: todos os pacientes que sofriam das mesmas dificuldades emocionais precisavam do mesmo nosódio, independentemente do tipo de doença física. Os pacientes sujeitos a violentas explosões emocionais, tempestades cerebrais, todos precisavam do mesmo nosódio. Aqueles que estavam nervosos, apreensivos, mais uma vez, todos precisavam de outro, mas do mesmo nosódio, não importando as queixas físicas que sofressem.

A partir de então, ele prescreveu esses nosódios apenas de acordo com as dificuldades de temperamento de seu paciente. Não havia necessidade de exame físico do paciente ou exames laboratoriais e o tratamento pôde ser iniciado imediatamente, sem demora. Os resultados foram excelentes. Isso confirmou sua opinião de que a doença física não era de origem física, mas que era, como ele disse, "a consolidação de uma atitude mental".


O Dr. Bach agora sentia que poderia devotar seu tempo e sua vida à busca de remédios puros que ajudassem o sofredor a superar seus pensamentos infelizes. Os novos remédios que ele sabia deveriam estar lá para serem encontrados na natureza, entre as árvores e plantas, pois todas as nossas necessidades são providas na natureza por nosso Criador. Ele já conhecia o princípio do novo método de tratamento: 'Trate o paciente e não a doença', pois quando os pensamentos negativos fossem superados, o corpo também responderia. Então, em 1930, ele desistiu de todo o seu trabalho em Londres e foi morar no campo. Ao longo de todos aqueles anos de prática médica, ele vinha procurando provas científicas de todas as suas descobertas e usando seu intelecto, mas agora uma mudança ocorreu em si mesmo. Ele se tornou muito sensível tanto mentalmente quanto corporalmente. Antes de encontrar uma determinada flor, sofria em si mesmo e de forma muito aguda, o estado de espírito negativo para o qual aquela flor era necessária e, ao mesmo tempo, ele tinha o privilégio, como disse, de sofrer de alguma enfermidade física. Então ele vagava pelos campos e caminhos até que encontrasse, ou fosse levado a encontrar, a flor que imediatamente restauraria sua serenidade e paz de espírito, e em poucas horas a doença física também seria curada. Desta forma, ele encontrou 38 flores para cobrir os 38 estados mentais negativos de que a humanidade pode sofrer. Essas flores, com três exceções, são todas simples flores silvestres do campo. Ele preparou apenas as flores, pois elas crescem acima do solo à luz do sol e do ar e contêm em seus corações a semente do embrião, a vida continuada da planta. Você vai conhecer, é claro, muitos deles -Gorse (tojo), Heather (urze), Honeysuckle (madressilva) , Wild Rose (rosa selvagem), Chicory (chicória), Agrimony (agrimônia) - e as flores de nossas árvores conhecidas - Oak (carvalho), Beech (faia), Willow (salgueiro), Larch (larício). O Dr. Bach classificou os 38 remédios em sete grupos. Aqueles por medo; para incerteza e indecisão; para a solidão; por interesse insuficiente nas presentes circunstâncias; por hipersensibilidade a idéias e influências; para desânimo e desespero; pelo excesso de cuidado com o bem-estar dos outros. Neste livro 'Os Doze Remédios e Outros Remédios', ele descreve de forma muito simples o estado mental negativo de cada um desses remédios ”


Nora Weeks

1973

14 views0 comments

Recent Posts

See All